Total de visualizações de página

quinta-feira, 14 de junho de 2018

Vida em mim

Não sou histérico nem sou normal. De longe posso parecer, mas o poeta, de perto decifrou, o ser humano nao está totalmente no controle.

Perde ou vence  nos acréscimos, ou joga uma longa partida, com gol feito aos poucos.

Meu coração nasceu só e assim vive no fundo do peito. O silencio essencial, vive na sensibilidade e respeito.

 Sou do mundo, de todo mundo, da lagrima e sorriso, um dia apagado, outro aceso. Percebo a procissao que passa, tanto dispersa, e eu junto dela.

O caminho sem peso, com o passo mais lento, com o meu sentimento, com o meu desejo. De paz, quietude, compreensão e silêncio.

 Barulho, sorriso, e no mundo indefeso. Contando com a luz, a colheita e a força, para a paz vir ao peito acalmando a dor. E na calmaria sentir o momento de ter a grandeza que é o Amor. (Olinto Vieira, 13/06/18, 00:55)

Nenhum comentário: