quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

OAB pede à Procuradoria-Geral da República afastamento imediato ou prisão preventiva de Arruda

O presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Ophir Cavalcante, encaminhou ao procurador-geral da República, Roberto Gurgel, pedido de imediato afastamento ou prisão preventiva do governador José Roberto Arruda (sem partido), apontado como chefe do suposto esquema de corrupção no Distrito Federal.

De acordo com Ophir Cavalcante, a permanência de Arruda no comando do governo distrital irá prejudicar o andamento das investigações.

Cavalcante alega que o governador estaria realizando manobras para impedir o andamento dos pedidos de impeachment na Câmara Legislativa. O presidente da OAB afirma ainda que é “inequívoca” a tentativa do governador em subornar o jornalista Edson Sombra, testemunha na investigação sobre o suposto esquema.

“Tais evidências são claras no que tange às tentativas de obstrução das investigações e cooptação de testemunhas por parte do governador, de modo que é fundamental que essa Procuradoria-Geral da República avalie a possibilidade de requestar o afastamento cautelar do governador para regular instrução processual, na forma do art. 20 da Lei 8429/92, ou mesmo sua prisão preventiva”, diz o ofício.

Ainda de acordo com o documento, a continuidade de Arruda no cargo "poderá ensejar dano efetivo à instrução processual, já que essa e outras testemunhas poderão 'deixar de se recordar' de detalhes sobre o caso e, outros, ainda, poderão 'sensibilizar-se' com a situação por eles vivida, a ensejar reflexos em seus depoimentos, cujas situações, por óbvio, será catalisada com a manutenção do governador e demais envolvidos em seus cargos públicos”.

A OAB ajuizou ação pedindo indisponibilidade dos bens de Arruda, dos oito deputados distritais e dois suplentes acusados de envolvimento no suposto esquema de pagamento de propina.

Carolina Pimentel
Da Agência Brasil Em Brasília

Nenhum comentário: