segunda-feira, 22 de abril de 2013

MERCADO DE ESPECULAÇÕES



Há uma  célebre fábula que mostra, com simplicidade, como são os desdobramentos de crises e suas especulações.

Era Outono e os índios de uma reserva americana perguntaram ao novo chefe se o inverno iria ser muito rigoroso ou se, pelo contrário, poderia ser mais suave. O Inverno, naquele caso, assemelha-se, com as devidas proporções, à "crise econômica global" atualmente enfrentada. Ele não conseguia interpretar os sinais que lhe permitissem prever o tempo, no entanto, para não correr muitos riscos,foi dizendo que sim, deveriam estar preparados e cortar a lenha suficiente para agüentar um inverno frio.

Mas como também era um líder prático e preocupado, alguns dias depois teve uma idéia. Dirigiu-se à cabine telefônica pública, ligou para o Serviço Meteorológico Nacional e perguntou: - 'O próximo inverno vai ser frio?'- 'Parece que na realidade este inverno vai ser frio' respondeu o meteorologista de serviço. O chefe voltou para o seu povo e mandou que cortassem mais lenha. Uma semana mais tarde, voltou a falar para o Serviço Meteorológico: - 'Vai ser um inverno muito frio?'- 'Sim,' responderam novamente do outro lado.- 'O inverno vai ser mesmo muito frio'.

Mais uma vez o chefe voltou para o seu povo e mandou que apanhassem toda a lenha que pudessem sem desperdiçar sequer as pequenas cavacas.Duas semanas mais tarde voltou a falar para o Serviço Meteorológico Nacional:- 'Vocês têm a certeza que este inverno vai ser mesmo muito frio?'- Absolutamente' respondeu o homem. 'Vai ser um dos invernos mais frios de sempre; pode gerar uma crise braba . Comprem logo a alimentação que precisam porque tudo indica que as coisas vão subir de preço' -

' Como podem ter tanto a certeza?' perguntou o Chefe. O meteorologista respondeu:- 'É que os índios estão cortando lenha que nem uns doidos.' 

3 comentários:

DOP disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Maria Flor disse...

Até hoje eu me pergunto pra que serve a especulação??? Mas acredito que seja pra manter cômoda um situação barrista que vai de encontro às transformações que se apresentam no giro da roda da vida, como uma trava que, muitas das vezes é impeditiva ou, por alguma razão, que dependendo do momento, se torna um mecanismo pra colocar o progresso na hora certa para se estabelecer, mas ainda impeditiva por conta da cegueira de alguns. Hora essa que acontece quando algum iluminado enxerga de perto o caminho certo pra ir em frente e clarear quem ainda não consegue enxergar... E é pra frente que se anda!!! Examinemos os reais motivos que levam uma coisa a acontecer para melhor enxergar a vida!!

OLINTO VIEIRA disse...

Especula-se que serve para manter o giro da roda criada pelo homem cada vez mais necessária e cada vez mais inútil, Maria Flor!Tem toda razão!