domingo, 29 de março de 2009

Curió condenado

Postagem extraída do blog do Hiroshi Bogéa
"A recente condenação de Sebastião Curió a pagamento de R$ 1,1 milhão, além de suspensão de seus direitos políticos por cinco anos, acusado pela Justiça Federal de enriquecimento ilícito e fraude em licitações públicas, é resultado da obstinada e solitária luta do ex-vereador Wenderson Chamon contra os desmandos que o ex-major da ditadura espalhava pelo município.
Corajoso, o então jovem parlamentar encarou a organização de pistolagem comandada pelo ex-prefeito, acompanhando, passo a passo, os trâmites da denúncia oferecida ao MPF, numa batalha desigual, desproporcionalmente desigual. Sem dinheiro e sem aliados – os que surgiram afoitamente desistiram no meio da viagem -, Wenderson encarnou símbolo de opositor tenaz a Curió, até derrotá-lo em três instâncias.
Primeiro, ao conseguir a cassação definitiva do mandato de prefeito do truculento militar da reserva; depois, vencendo a eleição para prefeito de Curionópolis; e, por último, a condenação dele pela série de irregularidades cometidas.
O ex-secretário de Finanças, Wilson da Silva Marques, também denunciado, foi absolvido. Ele era gerente do Banco do Estado do Pará, quando afastou-se da função para ocupar o cargo que Curió lhe oferecera."

6 comentários:

Anônimo disse...

Radical se transforma em moderado -
Por Ivanildo Vilanova

Radical se transforma em moderado
Se quiser jogar bem no outro time
Ou acopla-se aos moldes do regime
Ou por outra depois tu é cassado
Quando não ele fica deslumbrado
Com mulheres, passeios e prazer
Mordomia, jetom, luxo e lazer
Tudo isso é efêmero, mas ilude

Não conheço esquerdista que não mude
Quando pega nas rédeas do poder

O ministro, o prefeito, o deputado
Com direito a chofer e secretária
Segurança, assessor, estagiária
Gabinete com ar condicionado
Vai lembrar-se do proletariado
Com favela e cortiço pra viver
Ou será que não vai se aborrecer
Com esgoto, favela, mofo e grude

Não conheço esquerdista que não mude
Quando pega nas rédeas do poder

E o mártir que tem convicção
De arriscar sua vida, seu emprego
A família, o futuro, o sossego
Por um povo, um projeto, uma nação
Um Sandino tentou mas foi em vão
Um Guevara esforçou-se por fazer
Hoje em dia é difícil aparecer
Marighela, Lamarca ou Robin Hood

Não conheço esquerdista que não mude
Quando pega nas rédeas do poder

Que fará um sujeito agitador
Bóia-fria, sem-terra, piqueteiro
Camarada, comuna, companheiro
Se um dia tornar-se senador
Vindo até se eleger governador
Qual será o seu novo proceder
Vai mudar, mentir ou vai manter
As promessas que fez de forma rude

Não conheço esquerdista que não mude
Quando pega nas rédeas do poder

Quem tem honra, da mesma não se aparta
É querer liberdade pra o Nordeste
É Xanana Gusmão do Timor Leste
Enfrentando os exércitos de Jacarta
Boutros Ghali primando pela carta
Que o Pentágono queria prescrever
É qualquer palestino a combater
Um Netanyahu ou Ehud

Não conheço esquerdista que não mude
Quando pega nas rédeas do poder

No período que o adolescente
Quer mudar o planeta e o País
Através dos arroubos juvenis
Vira líder, orador e dirigente
Mas se um dia ele vira presidente
O que foi nunca mais poderá ser
Aí diz que o remédio é esquecer
As loucuras que fez na juventude

Não conheço esquerdista que não mude
Quando pega nas rédeas do poder

Todo jovem a princípio é sectário
É o atuante grevista, condutor
Exaltado, anti-yankee, pregador
Um perfeito revolucionário
Cresce, casa-se e torna secretário
E aí o que trata de fazer
Leva logo a família a conhecer
Disneylândia, Washington e Hollywood

Não conheço esquerdista que não mude
Quando pega nas rédeas do poder

Quem vivia de luta e de vigília
Invasão, pichamento e barricada
Através disso aí fez uma escada
Pra chegar aos tapetes de Brasília
Vai pensar no progresso da família
E o que faz pra do posto não descer
Nunca falta quem queira se vender
Sempre acha um covarde que lhe ajude

Não conheço esquerdista que não mude
Quando pega nas rédeas do poder

Dirigido não é o dirigente
E dominante não é o dominado
Se quem vive debaixo é revoltado
Quando sobe ele fica diferente
Compreendo a fraqueza dessa gente
Submissa ao desejo de vencer
Quem sou eu pra ser dono da virtude

Não conheço esquerdista que não mude
Quando pega nas rédeas do poder

Eu já vi muita gente amarelar
Por pressão covardia ou por dinheiro
Jornalista, cantor e violeiro
Metalúrgico, político e militar
Só Luís Carlos Prestes foi sem par
Defendeu sua tese até morrer
E Gregório Bezerra sem temer
Levou seus ideais ao ataúde

Não conheço esquerdista que não mude
Quando pega nas rédeas do poder...
__________

IVANILDO VILANOVA

Trecho da faixa dois do CD Improvisos do Brasil. Mesmo autor da letra de "Nordeste Independente", musica gravada por Elba Ramalho. Ivanildo Vilanova, advogado, é considerado um dos maiores repentistas do País. Filho do violeiro José Faustino.

OLINTO disse...

Sou um admirador do Ivanildo Vilanova! Anônimo, se puder se identificar, eu agradeço. Agradeço ainda mais se me mandar esse repente, ok?

Anônimo disse...

Calma mestre uma coisa de cada vez, e o merecimento fica aonde?

OLINTO disse...

TÔ CALMO! TÔ CALMO!!

rsrsrsrs

Anônimo disse...

Bom já que está calmo aí vai mais uma do Ivanildo Vilanova

Nordeste Independente

Composição: Bráulio Tavares/Ivanildo Vilanova

Já que existe no sul esse conceito
Que o nordeste é ruim, seco e ingrato
Já que existe a separação de fato
É preciso torná-la de direito
Quando um dia qualquer isso for feito
Todos dois vão lucrar imensamente
Começando uma vida diferente
De que a gente até hoje tem vivido
Imagina o Brasil ser dividido
E o nordeste ficar independente

Dividindo a partir de Salvador
O nordeste seria outro país
Vigoroso, leal, rico e feliz
Sem dever a ninguém no exterior
Jangadeiro seria o senador
O cassaco de roça era o suplente
Cantador de viola o presidente
O vaqueiro era o líder do partido
Imagina o Brasil ser dividido
E o nordeste ficar independente

Em Recife o distrito industrial
O idioma ia ser nordestinense
A bandeira de renda cearense
“Asa Branca” era o hino nacional
O folheto era o símbolo oficial
A moeda, o tostão de antigamente
Conselheiro seria o inconfidente
Lampião, o herói inesquecido
Imagina o Brasil ser dividido
E o nordeste ficar independente

O Brasil ia ter de importar
Do nordeste algodão, cana, caju
Carnaúba, laranja, babaçu
Abacaxi e o sal de cozinhar

O arroz, o agave do lugar
O petróleo, a cebola, o aguardente
O nordeste é auto-suficiente
O seu lucro seria garantido
Imagina o Brasil ser dividido
E o nordeste ficar independente

Se isso aí se tornar realidade
E alguém do Brasil nos visitar
Nesse nosso país vai encontrar
Confiança, respeito e amizade
Tem o pão repartido na metade,
Temo prato na mesa, a cama quente
Brasileiro será irmão da gente
Vai pra lá que será bem recebido
Imagina o Brasil ser dividido
E o nordeste ficar independente

Eu não quero, com isso, que vocês
Imaginem que eu tento ser grosseiro
Pois se lembrem que o povo brasileiro
É amigo do povo português
Se um dia a separação se fez
Todos os dois se respeitam no presente
Se isso aí já deu certo antigamente
Nesse exemplo concreto e conhecido
Imagina o Brasil ser dividido
E o nordeste ficar independente

Povo do meu Brasil
Políticos brasileiros
Não pensem que vocês nos enganam
Porque nosso povo não é besta

OLINTO disse...

Vixe!! Muito bom, cabra!