quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Dispenar - Juraíldes da Cruz

Olha a chuva chovendo chovendo
Chovendo a chuva caindo
Olha a chuva molhando molhando
Olha o mar do amor se abrindo

Olha o sol clareando clareia
Olha o povo na areia corando
cada coração que norteia
é mais uma estrela brilhando

Cada sorriso que vejo
vejo um motivo nascendo
cada jeito tem seu povo
e um povo de um jeito sereno
(e esse povo é de um jeito sereno)

O lugar mais profundo
ou o mais alto do mundo
diante do grande é pequeno

O mistério do mar
quem sabe o sal tá sabendo
no critério dos sábios
sobe quem vem descobrindo

A humanidade é as penas de um passarinho,
dispenando que veio ao chão de pé no chão,
penujando
Pra sair do chão é sertão, acertando

Dispenando desempenando as penas pra voar
Dispenando desempenar apenas voando

Olha a terra girando no espaço
passos caminhando
cada volta em volta do sol
tão alto e meus pés clariando

Olha o sol clareando clareia...

Nenhum comentário: