quinta-feira, 12 de agosto de 2010

21ª Edição do Prêmio de Música Brasileira




O cantor e compositor tocantinense Juraildes da Cruz foi a grande e grata surpresa da noite da 21ª edição do Prêmio da Música Brasileira, ocorrida nessa quarta-feira, 11, no Teatro Municipal do Rio. Juraildes venceu como Melhor Cantor na categoria Voto Popular, em que a escolha é feita pela internet. Entre os destaques estavam super estrelas da MPB, como Maria Bethânia, que conquistou o troféu de Melhor Cantora, com seu disco "Encanteria".

Artistas famosos também subiram ao palco para receber seus prêmios. Caetano Veloso foi o melhor cantor pop, por causa do disco "Zii e Zie". No mesmo segmento, o melhor disco foi "Rock 'n' Roll", de Erasmo Carlos, e o melhor grupo, os Paralamas do Sucesso. Já Ney Matogrosso ("Beijo Bandido") sagrou-se melhor cantor de MPB. Cauby Peixoto recebeu emocionado o prêmio de cantor popular, em função do disco dedicado à obra de Roberto Carlos.

Alcione, por "Acesa", foi eleita a melhor cantora de samba. Zezé Di Camargo & Luciano e Chitãozinho & Xororó venceram, respectivamente, em dupla de canção popular e dupla regional. Elba Ramalho ganhou o troféu de cantora regional. "Partimpim Dois", de Adriana Calcanhotto, venceu como disco infantil. E o DVD "Luz Negra", de Fernanda Takai, foi o melhor do ano.

Lançado como Prêmio Sharp, o Prêmio da Música Brasileira, organizado por José Maurício Machline, já foi Caras, Tim e agora tem o patrocínio da Vale.


Perfil O cantor e compositor Juraildes da Cruz nasceu no dia 23 de novembro de 1954 em Aurora do Norte, hoje estado do Tocantins. Cresceu ouvindo cantigas de roda, folias de reis, Luiz Gonzaga e Jackson do Pandeiro.

Iniciou a carreira artística em 1976 no GREMI de Inhumas, quando foi classificado em primeiro lugar. Participou de mais de cem festivais de música, com destaque para o Festival Tupi-79, onde se apresentou com Genésio Tocantins, ao lado de artistas como Caetano Veloso, Elba Ramalho, Zé Ramalho e Jackson do Pandeiro. Gravou seu primeiro disco contando com a participação de Chiquinho do Acordeon, Sebastião Tapajós, Paulo Moura, Jaques Morelenbaum, Fernando Carvalho, Nilson Chaves, Mingo e Xangai, trabalho posteriormente transformado em CD.

Suas composições já foram gravadas, entre outros, por Pena Branca e Xavantinho, Xangai, Rolando Boldrin e Margareth Menezes. Em 1994, Pena Branca e Xavantinho gravaram a composição de Juraildes "Memória de carreiro", que abre o CD "Uma dupla brasileira". Participou do CD coletânea "Made In Dependente Brasil - O melhor da música independente", cantando as músicas "Dodói", que abre o CD, e "Cantiga". Participou, ainda, do CD gravado ao vivo "Canto Cerrado", no qual interpretou "Nóis é jeca mas é jóia".


Fonte:Portal CT

Um comentário:

Anônimo disse...

o homi é bão messssssssssssss.