segunda-feira, 12 de julho de 2010

Juraíldes da Cruz




O grande músico, talentoso compositor, cantor e amigo Juraíldes da Cruz está concorrendo como melhor músico regional no prestigiado 21º Prêmio da Música Popular Brasileira. Trata-se de um músico goiano, que faz MPB de alta qualidade sendo que suas músicas já foram gravadas por Elba Ramalho, Margareth Menezes, Xangai, Leonardo, Saulo Laranjeira e outros grandes nomes da música brasileira. Quem quiser votar para ajudar este talento a ser mais conhecido é só entrar neste site. Vejam uma pequena amostra do talento do Juraíldes nesta letra:

Vou pro campo
No campo tem flores
As flores tem mel
Mas a noitinha estrelas no céu, no céu, no céu

O céu, da boca da onça é escuro
Não cometa, não cometa
Não cometa furos
Pimenta malagueta não é pimentão, tão, tão, tão

Vou pro campo
Acampar no mato
No mato tem pato, gato, carrapato
Canto de cachoeira

Dentro dágua
Pedrinhas redondas
Quem não sabe nadar
Não caia nessa onda
Pois a cachoeira é funda
É afunda

Não sou tanajura
mas eu crio asas,
Com os vagalumes
eu quero voar, voar, voar
O céu estrelado hoje é minha casa
Fica mais bonita
quando tem luar, luar, luar
Quero acordar
com os passarinhos
Cantar uma canção
com o sabiá

Dizem que verrugas
são estrelas
Que a gente conta
Que a gente aponta
Antes de dormir, dormir, dormir

Eu tenho contato
Mas não tem nascido
Isso é estória de nariz comprido
Deixe de mentir, mentir, mentir..

Os sete anões pequeninos
Sete corações de meninos
e a alma leve, leve, leve
São folhas e flores ao vento
O sorriso e o sentimento
da Branca de Neve, neve, neve...Vou pro campo
No campo tem flores
As flores tem mel
Mas a noitinha estrelas no céu, no céu, no céu

O céu, da boca da onça é escuro
Não cometa, não cometa
Não cometa furos
Pimenta malagueta não é pimentão, tão, tão, tão

Vou pro campo
Acampar no mato
No mato tem pato, gato, carrapato
Canto de cachoeira

Dentro dágua
Pedrinhas redondas
Quem não sabe nadar
Não caia nessa onda
Pois a cachoeira é funda
É afunda

Não sou tanajura
mas eu crio asas,
Com os vagalumes
eu quero voar, voar, voar
O céu estrelado hoje é minha casa
Fica mais bonita
quando tem luar, luar, luar
Quero acordar
com os passarinhos
Cantar uma canção
com o sabiá

Dizem que verrugas
são estrelas
Que a gente conta
Que a gente aponta
Antes de dormir, dormir, dormir

Eu tenho contado
Mas não tem nascido
Isso é estória de nariz comprido
Deixe de mentir, mentir, mentir..

Os sete anões pequeninos
Sete corações de meninos
e a alma leve, leve, leve
São folhas e flores ao vento
O sorriso e o sentimento
da Branca de Neve, neve, neve...

3 comentários:

osoriotavares disse...

Olá Olinto!
Muito bom o seu blog, o que para mim não é nenhuma surpresa pois conheço o seu talento faz muito tempo.
Como vão as coisas por aí?
Quando estiver aqui na terrinha, vê se aparece.
Um grande abraço,
Osório Tavares

osoriotavares disse...

Me esqueci de dizer da admiração que tambem tenho pelo Juraildes e sua música. Um grande compositor.
Osório

OLINTO disse...

Caro amigo, para mim é uma honra sua participação neste espaço.Por falar em TALENTO, ele ém vc é nato!

Grande abraço e volte sempre.