segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Tu ainda sabes falar assim??

Texto do Pasquale Cipro Neto

" Estive em Belém, capital do Pará para proferir duas conferências. Tudo ótimo, do pessoal que organizou o evento as inúmeras pessoas que compareceram e assistiram as palestras. É claro que nessas ocasiões presto muita atenção no que ouço. Nada de procurar erros, pelo amor de Deus! O que me fascina não é descobrir as particularidades da linguagem de cada comunidade, de cada grupo social. E a linguagem dos paraenses - mais especificamente a dos belenenses - é particularmente interessante.

'Queres água?', perguntava educadamente uma das pessoas que participaram da equipe de apoio. O pronome 'tu', da segunda pessoa do singular, é comum na fala dos habitantes de Belém. Com um detalhe: o verbo conjugado de acordo com o que prega a gramática normativa, ou, se você preferir, exatamente como se verifica na linguagem oral em Portugal.

Em Lisboa e em Belém, é muito comum ouvir 'Foste lá?', Fizeste o que pedi?', 'Trouxeste o livro?', 'Queres água?', 'Sabes onde fica a rua?'. Inevitável lembrar uma canção de uma dupla da terra, Paulo André e Rui Barata ('Beira de mar, como um resto de sol no mar, como a brisa na preamar, tu te foste de mim'). 'Tu te foste', diz a letra, certamente escrita assim pelo letrista Rui Barata, exatamente como dizem as pessoas em Belém. A cantora Fafá de Belém, equivocadamente, gravou 'fostes'. Uma pena! 'Fostes' serve para vós: 'vós fostes'.

O que se ouve em Belém - 'foste', 'fizeste', 'queres' - não é comum em qualquer região do paí­s. Em boa parte do Brasil, é frequente o emprego do pronome 'tu' com o verbo conjugado na terceira pessoa: 'Tu fez?', 'Tu sempre faz isso?', 'Por que tu não estuda?', 'Tu comprou o remédio?'.

Para a gramática normativa, isso está errado. Se o pronome é 'tu', o verbo deve ser conjugado na segunda pessoa do singular: 'fizeste, fazes, estudas, compraste', nas frases anteriores.Na linguagem oral, a mistura de pessoas gramaticais ('Você fez o que te pedi?' ou 'Tu falou', por exemplo) é tão comum no Brasil que é impossí­vel não ficar surpreso quando se vai a Belém e se ouve a segunda pessoa do singular como se emprega em Portugal.

Aliás, Belém tem forte e visível influência portuguesa, a começaar pela bela arquitetura. Ainda segundo a gramática - e segundo o uso lusitano, vivíssimo - quando se usa 'tu', não se usa 'lhe'. E aí­ a roda pega, até em Belém, onde, apesar dos verbos e do sujeito na segunda pessoa, às vezes se ouve o pronome 'lhe': 'Foste lá? Eu lhe disse que devias ir'. Qual é o problema? O pronome 'lhe' se usa para 'você', 'senhor', 'senhora', 'Excelência', ou qualquer outro pronome de terceira pessoa. Na língua formal, 'tu' e 'lhe' não combinam.. Não custa repetir que todas essas observações tem como base a gramática normativa, que, na linguagem oral, ou seja, na fala, como se vê, não é aplicada integralmente em nenhum canto do Brasil. O que fazer? Nada de histeria. Nem tanto ao mar, nem tanto a terra.

Nada de imaginar que se deva exigir de todo brasileiro, na fala, o cumprimento irrestrito das normas lusitanas de uniformidade de tratamento. E nada de achar que não se deve ensinar isso nas escolas, que não se deve tocar no assunto. Afinal, a uniformidade de tratamento está nos clássicos brasileiros e portugueses, está na língua viva, oral de Portugal e de outros paí­ses de lí­ngua portuguesa. Está até na poesia brasileira deste século. E também na música popular da Bossa Nova ('Apelo', de Baden e Vinicius, por exemplo: 'Meu amor, não va¡s embora, vê a vida como chora, vê que triste esta canção; eu te peço: não te ausentes, pois a dor que agora sentes...') a Chico Buarque ('Acho que estás te fazendo de tonta, te dei meus olhos pra tomares conta, me conta agora como hei de partir' versos de 'Eu Te Amo', música de Tom Jobim e letra de Chico Buarque).

Não custa repetir: na língua culta, formal, é desejável a uniformidade de tratamento. Quando se usa tu, usam-se os pronomes te, ti, contigo, teu.

Quando se usa você, senhor, Excelência, usam-se os pronomes o, a, lhe, seu. E também não custa pesquisar um pouco, ler os clássicos e os modernos. Ou fazer uma bela viagem a Belém e lá tomar o tacacá. E ouvir algo como 'Fizeste o trabalho?'. Um beijo, Belém. Um forte abraço. "
(Texto publicado na Revista VEJA)

Um comentário:

Bruno disse...

muito bom o texto do Pasquale... ja ouvi gente de fora de belém comentar do meu jeito de falar e o texto dele fala bem disso...

boa postagem...

Tu não escrevestes mais???

(com o chiado no "S"...)

;)
Bruno Assis
Belém
bbdeassis_3@hotmail.com