sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Harmônico, sábio, perfeito...


Raramente refletimos sobre as coisas mais simples e mais profundas da vida. Que lugar é esse que vivemos? Porquê estamos aqui? Tudo isso será uma grande obra do acaso?


A Terra gira sobre seu eixo em vinte e quatro horas ou ao redor de mil e seiscentos quilômetros por hora. Porquê exatamente nessa velocidade? Se fosse em outra velocidade, nossos dias e noites seriam dez vezes tão longos como agora. O Sol quente do verão então queimaria nossa vegetação ao longo de cada dia e cada vegetal se congelaria em uma noite.


A Terra viaja ao redor de Sol a trinta quilômetros por segundo. Se a velocidade de dita revolução tivesse sido maior ou menor, estaríamos muito longe ou perto do Sol para que a nossa forma de vida existisse.

A Terra está inclinada em um ângulo de vinte e três graus. Isto nos dá nossas estações. Se não estivesse inclinada, os pólos estariam em um eterno crepúsculo. O vapor d’água do oceano se moveria de norte a sul, empilhando continentes de gelo e deixando possivelmente um deserto entre o equador e o gelo.

A Lua está a 386.242 quilômetros, e as maresias duas vezes ao dia habitualmente são uma lembrança suave de sua presença. As maresias do oceano alcançam uma altura de 15 metros em alguns lugares, e inclusive a crosta da terra se inclina duas vezes ao dia até _ vários centímetros pela atração da Lua.


Se nossa Lua não estivesse naquele local onde está, nossas maresias seriam tão enormes que duas vezes ao dia todas as terras baixas dos continentes estariam submergidas por uma corrente de água tão grande que inclusive as montanhas logo seriam erodidas, e provavelmente nenhum continente poderia ter surgido desde as profundidades o suficientemente rápido para existir hoje. A Terra se separaria por causa destes movimentos e as maresias no ar criariam furações diariamente.

Se a crosta da Terra tivesse sido três metros mais grossa, não haveria existido oxigênio, sem a qual a vida animal é impossível; e se tivesse sido uns centímetros mais profunda o oceano, o dióxido de carbono e o oxigênio haveriam sido absorvidos e a vida vegetal sobre a superfície da terra não poderia existir. Se a atmosfera teria sido muito mais fina, alguns dos meteoritos que agora ordem na atmosfera exterior, milhões cada dia, golpeariam todas as partes da Terra.

O oxigênio se encontra normalmente em 21 por cento (na atmosfera). A atmosfera em geral pressiona a terra aproximadamente num valor de 0,068 atmosferas ou 760 milímetros de mercúrio a nível do mar. O oxigênio que existe na atmosfera é uma parte desta pressão, sendo por volta de 20% do total dos componentes da atmosfera. Todo o resto do oxigênio se encontra na abertura da Terra, ou seja, 8/10 de todas as águas do mundo. O oxigênio é vital na respiração para todos os animais da Terra e é por este propósito completamente inacessível exceto o que vem da atmosfera.

A questão surge de como este elemento químico extremamente ativo escapou da combinação e ficou na atmosfera na proporção quase exata necessária para sobrevivência de praticamente todas as coisas vivas.


Se, por exemplo, no lugar de 21 por cento, o oxigênio fosse 50 por cento ou mais da atmosfera, todas as substâncias combustíveis no mundo se tornariam inflamáveis a tal grau que o primeiro golpe do raio a atingir uma árvore incendiaria o bosque, o qual quase explodiria... Se o oxigênio livre, esta _ parte em muitos milhões da substância da terra, _ fosse absorvido, toda a vida animal se deteria.


Não. Não há nada por acaso, tudo é perfeitamente harmônico, sábio, perfeito, criado por Deus....

Nenhum comentário: