quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

É aqui que eu me "escondo"...

20 de janeiro de 2009. Barack Obama ocupou seu posto de Presidente dos Estados Unidos da América. Desse dia em diante, o “negão” passou a morar no ‘cafôfo’ mais famoso do mundo.

Brincadeiras à parte, é interessante conhecer um pouco a rotina da Casa Branca. As arrumadeiras da equipe fixa de empregados domésticos da Casa Branca farão a cama presidencial como toda manhã. O pessoal da cozinha descascará batata e preparará ovos mexidos. Os jardineiros plantarão 3,5 mil bulbos de tulipa que na primavera florescerão no Jardim das Rosas.


A manutenção da vida doméstica do presidente é uma atividade que movimenta centenas de pessoas, e poucos a conhecem fora dos portões do número 1600 da Pennsylvania Avenue.

O “barraco” conta com os serviços de uma equipe de 90 pessoas: mordomos, arrumadeiras, chefs, ascensoristas, floristas, marceneiros, eletricistas, encanadores. Em apenas uma semana, a Casa Branca chega a receber 30 mil convidados. Mas ela é antes de tudo o lar de uma família.


Sendo assim, o que tem para jantar? Primeiras-damas e presidentes em geral não cozinham na residência - simplesmente escolhem um cardápio semanal entre as opções apresentadas pelo chef. Jantares oficiais, churrascos para o Congresso e recepções de férias para o corpo diplomático são pagos pelos contribuintes, mas se cobra do presidente a comida consumida por sua família e convidados pessoais.


A primeira-família também paga as contas da lavanderia - os empregados mandam as roupas para estabelecimentos de categoria. Apenas as camisas do chefe são lavadas pelo pessoal da Casa, assim como as roupas de cama e as toalhas.


Quando sai da Casa Branca, o presidente embarca em uma imensa bolha protegida, seja na limusine blindada, apelidada de The Beast ("A Fera"), seja no Air Force One, o avião presidencial, seja dormindo em um dos 600 a 800 quartos de hotel necessários em cada escala de uma ida ao exterior.


O aparato de viagem inclui uma caravana com empregados da Casa Branca, autoridades do Departamento de Estado, mais de 100 agentes do serviço secreto, técnicos de comunicação, altos funcionários do Departamento de Defesa e imprensa - no total, cerca de 800 pessoas. O avião presidencial é o refúgio do presidente, onde ele pode dormir em sua cabine, uma suíte no nariz do aparelho com chuveiro e duas camas.



Como todo mundo, porém, o presidente gosta de voltar para casa. Embora Ronald Reagan reclamasse que se sentia preso no "aquário" da Casa Branca, outros líderes e suas famílias adoraram morar lá. A impressão reinante é de lar e história, combinados à consciência de que a primeira-família, por mais bem tratada que seja ali, está só de passagem. Ou, como um dos empregados delicadamente lembrou Barbara Bush, "presidentes vêm e vão. Mordomos permanecem".

Nenhum comentário: